Buy and Hold: porque o preço de uma ação deve ser levado em consideração – Parte II

425

seja milionario

Encontrei o meu post no site da Guia Invest. Entrei em uma debate defendendo porque o preço de uma ação é importante na hora de investir, não apenas o produto que esta empresa comercializa. Reformulei o post porque na época escrevi rapidamente e continha algumas frases mal escritas que não expressavam o que queria dizer. O post foi baseado em uma rápida pesquisa que fiz a respeito do preço das ações da Coca-Cola nos últimos anos.

Segue o post:

“Acredito em investir em empresas com bons fundamentos pagando o preço que ela realmente vale.

Em Julho de 1998 um feliz investidor decidiu comprar ações da Coca-Cola por achar que ela tem ótimos fundamentos, e pagou $88.94 por ação. Vamos chama-lo de Zeca. Zeca, não se preocupava em precificar  se os fundamentos valia realmente tal valor, ele achava que os fundamentos valia qualquer preço já que se tratava da grande marca Coca-Cola. Entretanto no mês seguinte o preço atingiu $65.00. Zeca por ser buy and holder,  não se preocupou com o valor e continuou comprando ao longo dos meses a seguir. A ação da Coca-Cola continuou variando no patamar entre $40 e $50. Até que 5 anos depois, no ano de 2003, no mês de março ela atingou o mínimo de $37.01. João se surpreendeu com o preço da Coca-Cola e ficou muito interessado em comprar ações da empresa. Para ter certeza, ele passou uma semana estudando a empresa para estipular quanto realmente valerias as suas ações. Chegando a conclusão de que a ação valeria cerca de U$45.00, João começou a comprar esta ação no valor de U$39 por ação. João resolveu continuar comprando estas ações até atingir o preço $45.00, valor da empresa estipulado por ele. Ao longo do tempo, a Coca-Cola voltou a subir lentamente e sua ação passou a variar entre $40 e $60 até o ano de 2009, quando a ação ultrapassou o patamar de U$45.00.  Seis anos após a primeira compra de João, e 11 anos após a primeira compra de Zeca. A partir de então, a ação não voltou mais a $45.00 e João parou de comprar. Em 2012 ela voltou no patamar entre $70 e $80 dólares. Quem obteve o maior retorno? Zeca que não se importava com o preço da ação ou João que aliava bons fundamentos a preços razoáveis?

Você pode pensar que manipulei dados apenas para reforçar meu argumento. Posso realmente ter usado o exemplo os preços no máximo e mínimo. Mas um investidor real e muito famoso utilizou quase a mesma estratégia e timing de João em relação a Coca-Cola. Seu nome é Warren Buffett, você conhece?

Eu acredito que a partir do momento que você tem a ação a um valor correto, você só deve vendê-la em duas situações:

1 – Se os seus fundamentos / resultados piorarem ao longo de alguns anos.
2 – Se a perspectiva futura para o seu produto está ruim. Ex: ter ações do orkut após perceber que todos estão migrando pro facebook.

Aprendi a lição de não vender quando você tem um bom preço médio, mesmo se o preço da empresa passou do valor que você pensa ser justo. Quando comprei a EZtec a R$3,90 e vendi por R$17,50 dois anos depois,  ela continuou subindo. Hoje ela já atingiu R$27,00. Mesmo gostando da empresa,  eu não pagaria hoje nem R$20,00 por suas ações apenas para voltar para o papel.”

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA