Os Sete Cavaleiros Fatais – A Lei do Triunfo

667

livro lei do triunfo

“Desde o nascimento até a morte, todo ser humano precisa combater esses inimigos. O nosso triunfo na vida será medido, em grande parte, pelo modo de dirigir o combate a estes terríveis cavaleiros.

Se tais inimigos cavalgassem livremente, em cavalos reais, não seriam tão perigosos, pois poderiam ser cercados e postos fora de combate. Mas andam sem ser vistos, nas mentes humanas, e o fazem de maneira tão silenciosa e sutil que a maioria das pessoas nem percebem a sua presença.

Bem a frente vem o mais perigoso e o mais comum desses cavaleiros. O leitor poderá considerar-se feliz se descobrir tal inimigo e proteger-se contra o mesmo. Esse cruel guerreiro, a INTOLERÂNCIA, tem matado mais pessoas, destruído mais amizades, causado mais miséria, sofrimentos e guerras do que todos os outros seis males que aparecem no desenho.

Antes de dominar a INTOLERÂNCIA o leitor nunca poderá ser um indivíduo capaz de pensar com exatidão. Este inimigo da humanidade fecha a mente humana, faz retroceder a razão, a lógica e os fatos. Se o leitor odeia aqueles cujo credo religioso é diferente do seu, pode estar certo de que o mais perigoso dos sete cavaleiros fatais cavalga ainda no seu espírito.

Em seguida, temos a VINGANÇA e a AVAREZA. Esses dois males sempre andam lado a lado. Encontrando-se um, pode-se ter certeza de que o outro está perto.

A AVAREZA deforma de tal maneira o cérebro do indivíduo que ele desejaria poder construir um muro em torno da terra e conservar o resto da humanidade do lado de fora. É o inimigo que leva o homem a acumular milhões de que não necessita e nunca poderá gastar. É o inimigo que faz com que um homem tire até a última gota de sangue do seu semelhante.

E graças a VINGANÇA, que anda sempre lado a lado com a AVAREZA, o infeliz que abriga no cérebro esses gêmeos cruéis não se satisfaz com arrebatar os bens materiais dos seus semelhantes; quer destruir também a sua reputação.

Se o leitor quiser saber a que ponto são mortíferos a INVEJA e a AVAREZA, estude a história de todos os homens que pretenderam dominar o mundo.

Se não quiser porém empreender tão ambicioso programa de pesquisa, estude então as pessoas que o cercam, os que tentaram ou tentam “fazer seus ninhos” a custa dos outros. A AVAREZA e a VINGANÇA se postam nas encruzilhadas da vida e atiram na miséria e no fracasso inúmeras pessoas que poderiam trilhar a estrada do triunfo. Assim, deve ser um dos objetivos do leitor não permitir que eles o assaltem, quando se aproximar de uma dessas encruzilhadas.

Tanto os indivíduos como as nações declinam rapidamente logo que a AVAREZA e a INVEJA se instalam na mente dos que dominam.

Portanto, o leitor deve observar-se bem, a fim de ter a certeza de que esses dois inimigos terríveis não estão cavalgando no seu cérebro.

Voltemos agora a atenção para dois outros gêmeos da destruição: o EGOÍSMO e a SUSPEITA. Observemos que também eles andam lado a lado. Não há esperança de triunfo para a pessoa que sofre de amor-próprio demasiado ou de falta de confiança nos outros.

Uma pessoa que  gosta de manipular números já calculou uma vez que o maior clube do mundo, o It Can’t be Done Club (Isso não é possível) afirma que existem aproximadamente noventa e nove milhões de membros do tal clube, somente nos Estados Unidos da América do Norte.

Se não temos confiança nas outras pessoas, não temos também em nós a semente do triunfo. A SUSPEITA é um germe prolífico. Se consegue germinar, multiplica-se rapidamente, até não deixar mais lugar para a CONFIANÇA. Sem fé, nenhum homem poderá desfrutar um triunfo permanente…

…Acreditemos nos outros, se quisermos que os outros acreditem em nós. Destruamos a suspeita, do contrário ela nos destruirá. Se quisermos adquirir poder, cultivemos a fé na humanidade. Onde existe a SUSPEITA nasce o egoísmo. Interessemo-nos pelos outros, e ficaremos logo tão absorvidos que não teremos tempo para ceder ao egoísmo. Se observarmos os que empregam a cada momento o pronome Eu, descobriremos, sem demora, que não tem confiança nos outros.

O homem que pode esquecer a si mesmo, quando empenhado em servir os outros, jamais é vítima da SUSPEITA. Estudemos os que nos cercam e veremos que aqueles que nutrem SUSPEITA e EGOÍSMO raramente conseguem êxito na vida.

E, quando analisar os outros, aproveite o leitor a ocasião para analisar-se também, e certificar-se de que não está sendo prejudicado pelo EGOÍSMO e a SUSPEITA.

Na retaguarda desse grupo de cavaleiros fatais, vemos ainda o CIÚME e um outro, cujo nome foi omitido de propósito.

Cada leitor deste curso deve fazer um exame de consciência e dar ao sétimo inimigo o nome que achar mais conveniente.

Alguns chamarão de: DESONESTIDADE. Outros chamarão: PROTELAÇÃO. Alguns terão a coragem de chamá-lo: DESEJO SEXUAL DESCONTROLADO. Ponha o leitor o nome que quiser, mas não deixe de batizá-lo.

Talvez a sua imaginação dê um nome adequado a esse companheiro do CIÚME. Encontrará talvez mais facilidade para dar um nome a este cavaleiro, se souber que ele representa uma forma de loucura conhecida como “demência precoce”.

Verá que o CIÚME vem logo depois da SUSPEITA. Alguns dos que nos lêem dirão que CIÚME e SUSPEITA deviam viajar lado a lado, pois sempre um conduz o outro.

O CIÚME é a forma mais comum de insanidade mental. Atinge tanto os homens como as mulheres; algumas vezes tem uma causa justa, porém a maioria das vezes é injustificado.

Este cavaleiro fatídico é um dos que proporcionam mais casos de divórcio!

Dá um trabalho incessante as agências de detetives particulares.

Contribui também para assassinatos. Desfaz lares; faz viúvas e órfãos, atingindo boas esposas e inocentes criancinhas. As pessoas que têm no espírito esse terrível cavaleiro jamais tem tranquilidade.

Um casal pode viver perfeitamente feliz, mesmo na pobreza, se não for vítima deste filho da loucura que é o CIÚME. Examine-se o leitor cuidadosamente, e se encontrar no seu espírito o mais leve indício dessa moléstia comece imediatamente a combatê-la.

“Desejava saber onde ela está e o que está fazendo, agora que não estou ao seu lado…”, começa o ciumento perguntar a si mesmo.

“Deseja saber se ele procura outra mulher quando não está junto de mim…”, pensa a mulher ciumenta.

Quando começarem a ocorrer estas idéias no nosso espírito, consultemos imediatamente um psicólogo, pois é mais provável que estejamos sofrendo de uma forma branda de loucura.

Dominemos o ciúme antes que ele nos domine.

Terminada esta leitura, reflita o leitor sobre tudo que leu.

A princípio poderá dizer: “Isso não se aplica a mim.”

E pode ter razão – UMA PESSOA, EM CADA DEZ MILHÒES, PODE DIZER ISSO COM RAZÃO!

Mas não procure o leitor enganar-se. Talvez faça parte das vítimas. O objetivo deste artigo é ajudá-lo a ver em que classe se encontra. Se é uma vítima da miséria, do fracasso e da pobreza, em qualquer das suas formas, não tenha dúvida de que descobrirá, instalado no seu cérebro, um destes inimigos mortais.

Não se engane! Aqueles que têm tudo o que querem, inclusive felicidade boa saúde, já afastaram do seu caminho estes sete cavaleiros.

Dentro de um mês, quando tiver tempo, analise cuidadosamente, outra vez, voltando a esta parte do livro. Leia-a novamente e isso poderá levá-lo a descobrir os FATOS que o emanciparão de uma horda de inimigos cruéis, que talvez vivam agora no seu cérebro, sem o seu conhecimento.”

Fonte:

Trecho extraído do livro: A LEI DO TRIUNFO – Napoleon Hill – Editora José Olympio – Pag. 355 a 361.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA